Pavor de quem…


Pavor de quem…
Rança;
É bagaceira;
Para na sua vaga e diz que é rapidinho;
Faz aquele esquema de separar a gema da clara do ovo dentro da casca;
Não acredita em et;
Separa as moedas em grupinhos e enrola em durex;
Fala “namorido”;
Sai escovando os dentes caminhando pela tua casa bem devagar e olhando as paredes;
Pergunta se o celular é TIM;
Dá aquelas cuspidinhas curtas;
Grita na rua: “Oh alemão! “
Esfrega a mão no vidro embassado do ônibus;
É combinandinho;
Tem pêlo na orelha;
Acredita que All-Star é confortável ;
Abre embalagem de leite com tesoura;
Não acha engraçado a Fernandona da MTV;
Abre presente descolando o durex;
Toma tequila e dá aquela rapida batidinha com os dedos ;
Se esforça pra agradar;
Ri de quem escreve “menas”, mas escreve “agente” e “simplismente ” ;
Acha que o verbo enfocar existe, só no mundo das focas!
Limpa ouvido com cotonete e toca pela janela;
Fala “gata garota”;
Tem barba desenhada;
Fica pendurado no face quando está “conversando” com você;
Não conhece The Doors e The Smiths;
Desconhece o hino nacional, mas sabe todas as letras da Madonna;
Diz que tá desenvolvendo um projeto, aliás sabe-se que há anos;
Precisa Lexotan pra acordar e Rivotril pra dormir e usa floral porque tá muito ansiosa;
Usa crocs e bermuda cheia de bolsos;
Fala alto;
Faz coração com a mão e ainda aponta pra você;
Usa meia “carpim” com tênis;
Pede o meu filtro solar na praia;
Pede pra dar uma olhadinha nas coisas enquanto dá um mergulho;
Fede;
É catedrático;
Fala que strogonof é comida de suburbano;
Te para na rua para perguntar a raça do teu cachorro;
Guarda o recibo do cartão de crédito;
Fala mim isso e mim aquilo;
Te serve com Coca Zero quando você pediu Light;
Emplastra cabelo com creme de pentear;
Para de falar pra assistir videocassetadas;
Acha “pata de camelo” sexy;
Defende os animais, mas não cumprimenta ninguém
Pede nota fiscal assim: “Me vê uma paulistinha?”
Promete;
Pergunta: “-Mas o que ela faz hein?”
Não toma chimarrão em casa, só no Ibirapuera;
Tira foto abraçado com a hostess, fingindo intimidade;
Joga papel na rua;
Lava calçada com mangueira;
Acha que o amor não existe em São Paulo;
Fala com voz séria : “Precisamos conversar”;
Nunca leu o Pequeno Príncipe ;
Critica que eu critico.