[VIVA SAÚDE] Leite: mocinho ou vilão? Descubra o lado bom e ruim do consumo deste alimento.

O leite talvez seja o alimento mais duvidoso em relação à nossa saúde, seja mocinho ou seja vilão, raro quem resista, ainda mais nesse friozinho a uma xícara de chocolate quente. Eu fui uma dessas crianças na qual o leite fazia parte do meu dia a dia – era leite no café da manhã, no lanche da tarde e ao deitar e sobrevivi! (…)

Com certeza você já ouviu aquela frase: “se até o bezerro desmama, porque nós humanos continuamos a beber leite?” O fato é que o bezerro não para de beber por instintivamente saber que faz mal, mas porque a vaca o impede, até para poupar energia para um novo processo de gestação. Se os animais achassem que o leite causa algum mal, o seu cachorro e seu gato não o beberia se você o servisse, mas nós humanos somos os únicos animais que saímos do peito da mãe para a teta da vaca!

Existem evidências de que há mais de 10 mil anos, ainda na última Era do Gelo, o leite era uma espécie de veneno após a infância, isso porquê, ao contrário das crianças, os mais velhos eram incapazes de produzir a enzima lactase, enzima que quebra o açúcar presente na bebida, a lactose. De acordo com a conceituada revista Nature, quando a agricultura e a criação de animais substituíram a caça, houve uma mutação genética que permitiu que o corpo humano passasse a fabricar essa enzima. Essa mutação foi transmitida de geração em geração e a alteração no DNA se propagou pela Europa, essa mudança se tornou conhecida como a “revolução do leite”, pois a partir daí o seu hábito de consumo foi adotado e adaptado, de modo que a digestão da lactose está mais para uma vantagem evolutiva do que um inconveniente.